Novo site do TdS em www.treinodosapo.com.br

Antioxidantes

Conseguimos obter estas substâncias antioxidantes* na nossa alimentação diária, basta escolhermos os alimentos certos para nossas refeições. Alimentos como peixes, azeite de oliva, vinho tinto, vegetais e frutas possuem em sua composição alguns destes “agentes protetores”.

Muitos estudos têm sido focados na atividade dos antioxidantes naturais principalmente presentes nas frutas e vegetais, por causa dos seus potenciais componentes capazes de reduzir os níveis de estresse oxidativo, que pode causar câncer e está associado a mais de 200 doenças. Vários estudos epidemiológicos têm sugerido que a alta ingestão de alimentos ricos em antioxidantes reduzem o risco de alguns tipos de câncer e doenças cardíacas.

O elo entre a alimentação e os prejuízos à saúde cardíaca é tão verdadeiro, que entre os principais causadores de doenças cardiovasculares estão o colesterol elevado, a obesidade e o diabetes. Porém, não há um alimento que possa ser considerado “vilão” ou “mocinho” por si só. Sua ação dependerá muito de como esse alimento será consumido. Sendo assim é preciso cuidar tanto da escolha dos alimentos quanto na forma como serão preparados.

Uma alimentação equilibrada, variada, colorida e orientada por um profissional especializado, aliada a prática de atividade física regular, exames médicos periódicos e hábitos de vida saudáveis é a “fórmula” ideal para manter-se com saúde prevenindo doenças e melhorando a qualidade de vida.

* O termo “antioxidante” se refere a qualquer molécula capaz de estabilizar ou desativar os radicais livres** antes delas atacarem outras células, são capazes de previnir os efeitos deletérios da oxidação, inibindo o início da lipoperoxidação, seqüestrando radicais livres e/ou quelando íons metálicos. Eles protegem organismos aeróbicos do estresse oxidativo, definido como elevação na formação de espécies reativas de oxigênio.

** Os radicais livres são átomos ou moléculas eletricamente carregadas, com um ou mais elétrons não pareados em seu orbital mais externo tornando-os extremamente reativos, que capturam elétrons de outras substâncias para finalmente se neutralizarem. Enquanto este “ataque inicial” faz com que o radical livre se neutralize, outro radical livre está sendo formado no mesmo processo, resultando em uma reação em cadeia.

Thais Siqueira Perricelli
Nutricionista – Especialista em Obesidade e Emagrecimento
siqueiraperricelli@hotmail.com

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s